jusbrasil.com.br
26 de Setembro de 2021

Pelo de rato, mosca e barata: por que a Anvisa 'tolera' bichos nas comidas?

Gabriel Francisco Ceccon Enebelo, Advogado
há 5 anos

Pelo de rato mosca e barata por que a Anvisa tolera bichos nas comidas Recentemente, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a venda de cinco marcas de extrato e molho de tomate com pelo de roedor acima da média permitida pelo órgão.

Muitos internautas então perguntaram: "Quer dizer que um pouco de pelo de rato é tolerado?".

A resposta é sim.

A legislação brasileira tolera a presença não só de pelo de ratos, mas também de pedaços de moscas, baratas, aranhas, formigas, areia, pelo humano, teias e até excrementos animais -desde que estejam dentro do limite estabelecido por lei.

Quem determina este limite é o RDC-14, um conjunto de leis criado em 2014 que determina quanta "sujeira" é aceita num alimento sem que isso cause problemas de saúde para o consumidor.

Ali diz quantos fragmentos -ou seja, partes visíveis ou não a olho nu- de matéria estranha (insetos, excrementos, animais e pelos) pode haver no alimento. Antes, não havia regulamentação para os limites de tolerância.

"Os fragmentos podem ser macros ou microscópicos. Ou seja, podemos encontrar um pelo de rato inteiro ou em fragmentos tão pequenos que não seja possível visualizá-los a olho nu".

Para se ter uma ideia, 100 gramas de molho de tomate podem ter até dez fragmentos de insetos (como formigas e moscas) e/ou um fragmento de pelo de roedor.

Pelos de rato também são toleráveis em frutas desidratadas (1 em cada 225 g de uva passa), chás (2 em cada 25 g), especiarias (1 em cada 50 g de pimenta do reino) e achocolatados (1 em cada 100 gramas).

Veja alguns exemplos:

  • Molho e extrato de tomate, catchup e outros derivados: um fragmento de pelo de roedor a cada 100 g, dez fragmentos de insetos (como moscas e aranhas) a cada 100 g
  • Doces em pasta e geleia de frutas: 25 fragmentos de insetos a cada 100 g
  • Farinha de trigo: 75 fragmentos de insetos a cada 50 g
  • Biscoitos, produtos de panificação e confeitaria: 225 fragmentos de insetos a cada 225 g
  • Café torrado e moído: 60 fragmentos de insetos a cada 25 g
  • Chá de menta ou hortelã: 300 fragmentos de insetos em 25 g, cinco insetos inteiros mortos em 25 g, dois fragmentos de pelos de roedor em 25 g
  • Orégano: 20 fragmentos de insetos em 10 g

Mas isso é normal?

Para a especialista em legislação (Ingrid Schmidt-Hebbel, coordenadora do Tecnologia em Gastronomia do Centro Universitário Senac-Santo Amaro), a produção de alimentos industrializados totalmente isenta de fragmentos de insetos e outros animais é inviável:

"Isso se deve ao fato dos insetos e outros animais habitarem as lavouras e serem 'carregados' no momento da colheita".

Além disso, os animais podem entrar em contato com os alimentos no transporte e no armazenamento, antes de sua transformação na indústria. "Esta legislação tolera as matérias estranhas inevitáveis, que ocorrem mesmo com adição de boas práticas e em alguns alimentos especificamente", explica.

Não é só no Brasil que é assim. Nos Estados Unidos, por exemplo, o FDA (Food and Drug Administration), órgão responsável pelo controle dos alimentos no país, aceita fragmentos de animais em alimentos industrializados em níveis bem próximos aos nossos.

E faz mal?

A existência de pelo de rato e outros insetos nos alimentos, desde que dentro dos limites estabelecidos pela Anvisa, não faz mal para a saúde. Segundo Schmidt-Hebbel, saber da existência do pelo de rato no molho de tomate, por exemplo, causa repulsa, mas não dano.

"Os alimentos industrializados são submetidos a processos que elevam sua temperatura, o que ajuda a matar a maioria dos micro-organismos", explica.

O que acontece com as empresas reprovadas?

Quando o lote de um alimento é reprovado pela Vigilância Sanitária, a empresa é notificada e deve, obrigatoriamente, recolher os produtos.

O descumprimento da regra caracteriza infração à legislação sanitária, e a empresa pode ser punida com interdição, cancelamento de autorização e multa de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão.

Já o consumidor que adquiriu um produto reprovado tem direito a fazer a troca ou ter o seu dinheiro de volta. Para isso, é preciso entrar em contato com o serviço de atendimento ao cliente do fabricante e/ou um advogado.

Não existe uma periodicidade padrão para que a fiscalização nos alimentos seja feita. As vigilâncias sanitárias dos Estados e municípios costumam realizar os testes. Quando há irregularidade, a Anvisa é notifica e proíbe o consumo. Fonte: Uol

141 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Como as avós dizem: "Comer uma formiga faz bem para os olhos", acho que um pelinho de rato deve fazer bem para outra parte do corpo kkkkkkkk. continuar lendo

Hahahahah... Bem isso mesmo... Da nojo... Mas pelo visto eu já devo ter digerido 50 partes de rato, uma família de aranhas... E por ai vai... To viva ate hj...
Vou esquecer esse caso e ser feliz! continuar lendo

como diz a avó, dê sempre preferencia para comida caseira à industrial. continuar lendo

Alguns anos passados li, não sei se verdade ou mentira, que os chineses comem tudo que estiver vivo, alegam que somos o topo da cadeia alimentar e devemos fazer uso culinário de tudo o que estiver abaixo. Isso talvez explique a sabedoria da avó do Leonardo Medeiros. continuar lendo

É verdade, chineses comem tudo que estiver vivo. A unica coisa com quatro pernas que eles não comem deve ser a cadeira. Sei lá. Talvez a mesa tambem. continuar lendo

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk continuar lendo

Pra vcs que estão fazendo mi mi mi por ingerirem um pouco de insetos... vão lá e plantem os seus próprios alimentos, não só uma salada nos fundos de casa, e tentem livres de insetos, roedores, gatos, cachorros e cia ltda, depois me contem o que vcs conseguiram colher 100% livre de tudo. alem do mais estes corpos estranhos de nada se equivalem ao que vocês consomem de agrotóxicos, conservantes, e demais químicos utilizados na industria alimentícia todos os dias, mas nao esquecendo que higiene sempre é bem vinda. Então antes de criticarem o pessoal que planta e produz pensem o que esse pessoal passa para vocês poderem ter o que comer todos os dias continuar lendo

Eu também estou muito mais preocupada com a quantidade imensa de agrotóxicos que estamos ingerindo que com a quantidade microscópica de fragmentos de insetos... continuar lendo

Por isso eu consumo somente alimentos orgânicos, e sempre dou preferência por alimentos preparados na hora. Eu tenho problemas com intolerância a todo e qualquer alimento que possui conservantes por isso sempre prefiro os naturais. Agora estou comprando um sítio e pretendo plantar todo tipo de especiarias no quintal, prefiro viver como na época das avós. Agora livre não estamos mesmo desses indesejáveis corpos estranhos. continuar lendo

Sinceramente, me preocupa mais a quantidade de agrotóxicos que ingerimos e a possibilidade de desenvolver câncer. Fora os metais encontrados na água, que estão acima do permitido 👍🏻 barata é "ficha" continuar lendo

Estou mandado 10 fichas pra você ! continuar lendo

É como a ideia de que existe um uma quantidade aceitável de coliformes fecais na água. Em outras palavras, tem uma quantidade x de merda que é aceitável ter em água e alimentos. continuar lendo

Estou ingerindo merda a pelo menos uns 65 anos, gostei do seu texto, parabéns. continuar lendo

Quem acha que a culpa é do produtor, nunca plantou nem feijão no algodão na escola. Não entende o mínimo de lavouras, so sabe comer. continuar lendo

Ah, justo. O produtor não pode ser um vilão. É difícil você ter que fiscalizar grão por grão de feijão para ver se entre eles não tem uns cocôzinhos de roedores... haha, não culpo o produtor mas me sinto obrigado a satirizar o "padrão FIFA" da quantidade aceitável de merda que a gente come e bebe. continuar lendo

É são termo tolerantes. .. nem adianta ferver a água. Como somos porquinhos. ... continuar lendo

Os que se indignam com as especificações de resíduos de insetos em alimentos com certeza nunca se atentaram ao que significa coliformes fecais na água.

. continuar lendo